Conselho da Europa 2017-03-30T13:14:32+00:00

Conselho da Europa

O Conselho da Europa, com sede em Estrasburgo (França), cobre praticamente todo o continente europeu, com seus 47 países membros. Fundado em 5 de Maio de 1949, por 10 países, o Conselho da Europa pretende desenvolver em toda a Europa os princípios democráticos comuns com base na Convenção Europeia dos Direitos do Homem e outros textos de referência sobre a protecção dos indivíduos.

O Conselho da Europa é uma organização intergovernamental cujos objectivos principais são os seguintes:

  • defender os direitos do Homem, a democracia pluralista e a primazia do direito;
  • favorecer a tomada de consciência e a valorização da identidade cultural europeia e da sua diversidade;
  • procurar soluções para os problemas sociais (discriminação das minorias, xenofobia, intolerância, protecção do ambiente, clonagem, SIDA, droga, criminalidade organizada);
  • desenvolver a estabilidade democrática na Europa mediante o apoio das reformas políticas, legislativas e constitucionais.

A página oficial do Conselho da Europa divulga informação geral actualizada sobre a organização e respectivas actividades que pode ser consultada em: http://www.coe.int.

Informação actualizada sobre os Tratados do Conselho da Europa pode ser consultada directamente em http://conventions.coe.int/Gabinete de Documentação e Direito Comparado, na base de dados disponibilizada pelo Gabinete de Documentação e de Direito Comparado, da Procuradoria Geral da República, e pela Direcção-Geral da Administração da Justiça, do Ministério da Justiça.

Portugal é Estado-Membro do Conselho da Europa desde 22 de Setembro de 1976. Até ao momento, ratificou e assinou 89 Tratados e Acordos no âmbito desta organização internacional, entre os quais se seleccionaram os abaixo mencionados por estarem mais directamente relacionadas com matérias de cooperação jurídica civil e comercial.

Esta Convenção visa potenciar a aceitação de princípios e práticas comuns referentes à adopção de menores, contribuindo, assim, para aplanar as dificuldades causadas por tais divergências e permitindo, ao mesmo tempo, a promoção do bem-estar dos menores que são adoptados.

Reservas de Portugal ao texto da Convenção:
a) Portugal não considera aplicável ao consentimento da mãe o prazo fixado no nº 4 do artigo 5º da Convenção;
b) Portugal não se considera vinculado pelo disposto no nº 5 do artigo 10º da Convenção;

Declaração
No uso da faculdade conferida pelo artigo 24º da Convenção, Portugal considera as disposições dos nºs 1 e 2 do artigo 10º aplicáveis apenas à adopção plena.

Entrada em vigor para Portugal: 24-07-90

Estados parte

Tem relatório explicativo

Esta Convenção institui um sistema de entreajuda internacional com a finalidade de facilitar às autoridades judiciárias das Partes Contratantes a obtenção de informação sobre o direito estrangeiro.

  • Decreto nº 43/78. de 1978-04-28 – Aprova;
  • Aviso, DR 228/78, de 1978-10-03 – Torna público depósito do instrumento de ratificação. No momento do depósito do instrumento de ratificação, em 07-08-1978, Portugal designou como órgão de recepção e órgão de transmissão a Direcção-Geral dos Serviços Judiciários do Ministério da Justiça (actualmente Direcção-Geral da Administração da Justiça).
  • Aviso. DR 91/86, Série I, de 1986-04-19 – Torna público que as funções de órgão de recepção e de órgão de transmissão, serão desempenhadas em Portugal pelo Gabinete de Documentação e Direito Comparado da P.G.R.

Entrada em vigor para Portugal: 08-11-1978.

Estados parte

Tem relatório explicativo

Entrada em vigor para Portugal: 20-10-1984

Estados parte

Entrada em vigor para Portugal: 21-07-1982

Nota: Em Abril de 1992, por carta, Portugal designou como autoridade competente, nos termos do artigo 3º da Convenção, a Conservatória dos Registos Centrais.

Estados parte

Tem relatório explicativo.

Entrada em vigor para Portugal: 08-08-1982.

Estados parte

Tem relatório explicativo.

Reservas de Portugal ao texto da Convenção:

nos termos do nº 1 do artigo 13º do Acordo, Portugal exclui a aplicação total do disposto na alínea b) do nº 1 do artigo 6º do mesmo texto.

Declarações:

No momento do depósito do instrumento de ratificação, em 16-06-86, Portugal designou como autoridade central, nos termos do artigo 2º, nº 1, do Acordo, para efeitos de recepção e transmissão, a Direcção-Geral dos Serviços Judiciários do Ministério da Justiça (actualmente Direcção-Geral da Administração da Justiça).

Entrada em vigor para Portugal: 17-07-1986.

Estados parte

Tem relatório explicativo

Entrada em vigor para Portugal: 01-05-1983

Estados parte

Tem relatório explicativo

Nota: Em Julho de 1995, por carta, Portugal alterou a autoridade central competente, designando para esse efeito o Instituto de Reinserção Social (actualmente Direcção-Geral de Reinserção Social).

Entrada em vigor para Portugal: 01-09-83

Estados parte

Tem relatório explicativo

Entrada em vigor para Portugal: 01-02-2002

Estados Parte

Tem relatório explicativo

Ao continuar com a navegação, assumimos que aceita a nossa política de cookies.

Mais informação

POLÍTICA DE COOKIES

Para que o nosso sítio possa funcionar correctamente, instalamos pontualmente no seu computador ou dispositivo móvel pequenos ficheiros denominados cookies.

O que são cookies?

Um cookie é um pequeno ficheiro de texto que um sítio Web instala no seu computador ou dispositivo móvel quando o visita. Estes ficheiros permitem que durante um certo período de tempo o sítio Web se «lembre» das suas acções e preferências, nomeadamente do nome de utilizador, da língua escolhida, do tamanho dos caracteres e de outras definições de visualização. É por isso que quando percorre as páginas de um sítio ou regressa a um sítio que já visitou não tem, em princípio, de voltar a indicar as suas preferências quando regressa a um sítio.

Como utilizamos os cookies?

Algumas páginas deste sítio Web utilizam cookies (testemunhos de conexão) para que as suas preferências de visualização, como a língua seleccionada e os dados necessários ao bom funcionamento dos formulários interactivos, não sejam esquecidas quando voltar a consultar o sítio. Trata-se sempre de cookies de origem e nenhum deles é guardado depois de terminada a sessão.

A activação dos cookies não é indispensável para que um sítio Web funcione, mas facilita a navegação. Os cookies podem ser apagados ou bloqueados, mas se o fizer poderá desactivar algumas funcionalidades do sítio.

As informações associadas aos cookies não são utilizadas para identificar pessoalmente os utilizadores e o Ponto de Contacto tem pleno controlo sobre os dados recolhidos. O Ponto de Contacto só usa cookies para os fins referidos.

Como controlar os cookies?

Algumas pessoas poderão considerar a ideia da criação de um local de armazenamento de informação no seu computador ou dispositivo móvel um pouco intrusiva, nomeadamente quando essa informação é reunida e utilizada por terceiros que desconhecem. Se preferir, poderá bloquear alguns ou todos os cookies, ou até suprimir cookies já instalados no seu terminal, mas deverá estar ciente de que se arrisca a perder certas funcionalidades.

Para controlar os cookies ou as preferências de cookies, terá de os alterar dentro das definições do seu navegador. Aqui está uma lista de guias sobre como fazer isso, nos navegadores mais usados:

Para mais informações, consulte AllAboutCookies.org.

Sugerimos, ainda, que consulte a nossa página Advertência Jurídica.

Fechar