Acções de Pequeno Montante 2017-01-12T15:23:52+00:00
[fusion_builder_container background_color=”no” background_image=”http://www.redecivil.mj.pt/wp-content/uploads/2014/10/pattern5.jpg” background_parallax=”fixed” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ background_repeat=”no-repeat” background_position=”center center” video_aspect_ratio=”16:9″ overlay_opacity=”0.5″ video_mute=”yes” video_loop=”yes” fade=”no” border_size=”0px” border_style=”solid” padding_top=”35px” padding_bottom=”1px” hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” hide_on_mobile=”no”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none” last=”no” hover_type=”none” link=”” border_position=”all”][fusion_text]

FICHA INFORMATIVA


Acções de pequeno montante

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container][fusion_builder_container background_color=”no” background_parallax=”none” enable_mobile=”no” parallax_speed=”0.3″ background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” video_aspect_ratio=”16:9″ overlay_opacity=”0.5″ video_mute=”yes” video_loop=”yes” fade=”no” border_size=”0px” border_style=”solid” padding_top=”40px” padding_bottom=”0px” hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” hide_on_mobile=”no”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none” last=”no” hover_type=”none” link=”” border_position=”all”][fusion_text]

Procedimentos específicos podem ajudá-lo a obter uma decisão judicial com maior facilidade e rapidez

[/fusion_text][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”3_5″ layout=”3_5″ last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=”” min_height=””][fusion_text]

Quando se inicia uma acção judicial, o tribunal competente tem de respeitar todo um conjunto de normas. Estas são destinadas a assegurar que cada parte tenha as mesmas oportunidades de defender integralmente a sua posição perante o tribunal e que o juiz proceda a um julgamento justo.

A maioria dos Estados-Membros instaurou procedimentos simplificados e acelerados no âmbito dos quais as normas são mais flexíveis.

Em alguns Estados-Membros existem procedimentos específicos para os “créditos de pequeno montante”, que prevêem várias simplificações relativamente ao processo ordinário. A simplificação das normas diz respeito a todas as fases do procedimento, por exemplo, as normas que estabelecem a forma de apresentação de um pedido ou as que tornam obrigatória a assistência de um advogado.

Além disso, foram simplificadas as normas relativas ao prazo de que dispõem as partes para apresentar as suas alegações, à obrigatoriedade de realizar uma audiência ou ao modo de obtenção de provas. Também é o caso das normas sobre uma eventual conciliação, das que determinam a parte que suportará as custas do processo após ter sido pronunciada a sentença e das que determinam a possibilidade de recorrer da decisão.

[/fusion_text][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”2_5″ layout=”2_5″ last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”#f9f9f9″ background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”2px” border_color=”#e5e5e5″ border_style=”solid” padding=”8px” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”0″ animation_direction=”down” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=”” min_height=””][fusion_text]

Processo Europeu para Acções de Pequeno Montante

Este procedimento europeu destina­‑se a simplificar e acelerar a resolução dos créditos transfronteiriços que envolvem um montante inferior a 2000 Euros.

Consiste, para os litigantes, numa alternativa aos processos existentes nos termos da lei dos Estados-Membros. As decisões proferidas em processo europeu para acções de pequeno montante são reconhecidas e executórias nos outros Estados-Membros sem necessidade de declaração de executoriedade e sem que seja possível contestar o seu reconhecimento.

Para mais informações consulte o Regulamento (CE) n.°  861/2007 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Julho de 2007

[/fusion_text][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none” last=”no” hover_type=”none” link=”” border_position=”all”][fusion_text]

(Para mais informações sobre este tema noutros Estados-Membros, seleccione uma das bandeiras alinhadas à direita)

[/fusion_text][fusion_separator style_type=”shadow” top_margin=”1″ bottom_margin=”40″ /][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”5_6″ layout=”5_6″ last=”no” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=”” min_height=””][fusion_accordion][fusion_toggle title=”1 Existência de um procedimento específico relativo às acções de pequeno montante” open=”no”]Existe, efectivamente, um processo especial simplificado que se aplica nos casos referidos na presente questão.[/fusion_toggle][fusion_toggle title=”1.1 Âmbito de aplicação do procedimento, limite máximo” open=”no”]Vigora, com efeito, um limite pecuniário que define a aplicabilidade do procedimento especial destinado a exigir o cumprimento de obrigações pecuniárias tidas como de baixo valor ou emergentes de transacções comerciais. Esse limite é de €15.000,00.[/fusion_toggle][fusion_toggle title=”1.2 Aplicação do procedimento” open=”no”]Este processo é meramente facultativo.[/fusion_toggle][fusion_toggle title=”1.3 Formulários” open=”no”]Não existem formulários, no ordenamento jurídico português, no âmbito da acção declarativa em apreço.[/fusion_toggle][fusion_toggle title=”1.4 Apoio judiciário” open=”no”]O regime de apoio judiciário aplica-se em todos os tribunais qualquer que seja a forma do processo.

Nas acções de valor não superior a € 5.000,00, se as partes não tiverem constituído mandatário ou este não comparecer na audiência de discussão e julgamento, a inquirição das testemunhas é efectuada pelo juiz.[/fusion_toggle][fusion_toggle title=”1.5 Normas relativas à obtenção de provas” open=”no”]Este procedimento assume regras relativas à colheita de prova mais ligeiras e flexíveis do que as que regulam o processo declarativo comum.

São as seguintes as regras instrutórias que espelham essa preocupação de diminuição do nível de exigência e de agilização:

a) As provas são apresentadas em sede de audiência de julgamento, podendo as partes oferecer apenas três testemunhas se o valor da causa não exceder € 5.000,00, ou cinco nos restantes casos, não lhes sendo lícito, no entanto, produzir mais de três testemunhas sobre cada um dos factos que se proponham provar, não se contando, para este efeito, as que tenham declarado nada saber;

b) A audiência de julgamento realiza-se no prazo de trinta dias, não havendo lugar à marcação de data com acordo dos mandatários judiciais eventualmente constituídos se o valor da acção for inferior a € 5.000,00.

c) A falta de qualquer das partes, mesmo que justificada, não é motivo de adiamento; também a ausência dos mandatários, ainda que justificada, não é motivo de adiamento se o valor da acção for inferior ao montante indicado no número anterior;

d) Se tal valor for superior a esse quantitativo e ocorrer adiamento, a audiência de discussão e julgamento efectua-se num dos trinta dias imediatos, não havendo lugar a segundo adiamento;

e) Se ao juiz parecer indispensável, para boa decisão da causa, que se proceda a alguma diligência, suspenderá a audiência na altura que reputar mais conveniente e marcará logo dia para a sua realização, devendo o julgamento concluir-se dentro de trinta dias.

f) A prova pericial é sempre produzida por um único perito;

g) Finda a produção de prova, cada um dos mandatários apenas pode proferir uma breve alegação oral.[/fusion_toggle][fusion_toggle title=”1.6 Procedimento escrito” open=”no”]Este processo tem estrutura oral, como os demais.[/fusion_toggle][fusion_toggle title=”1.7 Conteúdo da decisão” open=”no”]As regras relativas ao conteúdo da sentença são, com efeito, mais flexíveis, já que a fundamentação deve ser, apenas, sucinta, ou seja, abreviada e concisa.

Acresce que o juiz não tem que escrever a sentença, antes ditando-a, de imediato, para a acta.

Também a decisão judicial a proferir nos casos em que o réu, citado pessoalmente, não conteste, tem uma estrutura profundamente aligeirada, já que o juiz, com valor de decisão condenatória, limitar-se-á a conferir força executiva à petição, a não ser que ocorram de forma evidente, excepções dilatórias ou que o pedido seja manifestamente improcedente.

O tratamento de excepções dilatórias (vícios processuais tão relevantes que determinam que o juiz não chegue a avaliar o pedido, antes absolvendo o réu da instância) ou a rejeição da pretensão do demandante por manifesta improcedência, só ocorrerão se tais questões emergirem de forma evidente.[/fusion_toggle][fusion_toggle title=”1.8 Reembolso das despesas” open=”no”]Não existem restrições

Até cinco dias após o trânsito, as partes que tenham direito a custas de parte remetem para o tribunal, para a parte vencida a respectiva nota discriminativa e justificativa.

Devem constar da nota justifica os seguintes elementos:

a)     Indicação da parte, do processo e do mandatário ou agente de execução;

b)     Indicação, em rubrica autónoma, das quantias efectivamente pagas pela parte a título de taxa de justiça;

c)     Indicação, em rubrica autónoma, das quantias efectivamente pagas pela parte a título de encargos;

d)     Indicação, em rubrica autónoma, das quantias pagas a título de honorários de mandatário, salvo quanto a estas, as quantias em causa sejam superiores a 50% do somatório das taxas de justiça pagas pela parte vencida e pela parte vencedora;

e)     Indicação do valor a receber.

As custas de parte são pagas directamente pela parte vencida á parte que delas seja credora, salvo no casoA ligação abre uma nova janela do art. 540.º do Código de Processo Civil.

A parte vencida é condenada, no termos previstos no Código de Processo Civil, ao pagamento dos seguintes valores, a título de custas de parte:

a)     Os valores de taxa de justiça pagos pela parte vencedora, na proporção do vencimento;

b)     Os valores pagos pela parte vencedora a título de encargos;

c)     50% do somatório das taxas de justiça pagas pela parte vencida e pela parte vencedora, para compensação da parte vencedora face às despesas com honorários do mandatário judicial, sempre que seja apresenta a nota acima referida;[/fusion_toggle][fusion_toggle title=”1.9 Possibilidade de recurso” open=”no”]Este processo não está sujeito a regras próprias relativas a recursos, pelo que não existe qualquer exclusão ou limitação específica da faculdade de recorrer, sendo admissível (ou não) recurso, nos termos gerais.[/fusion_toggle][/fusion_accordion][fusion_text][fusion_separator style_type=”none” top_margin=”20″ bottom_margin=”20″ sep_color=”” icon=”” width=”” class=”” id=””/]

Ligações úteis

Poderá obter apoio complementar utilizando os seguintes endereços electrónicos:

A ligação abre uma nova janelahttp://dre.pt/ – Legislação «on-line»;
A ligação abre uma nova janelahttp://www.itij.mj.pt – Bases de dados jurídicos;
A ligação abre uma nova janelahttp://www.dgaj.mj.pt/ – Direcção-Geral da Administração da Justiça (disponibiliza, entre outras, informações sobre os contactos dos Tribunais e sua jurisdição territorial e o acesso à Página dos Oficiais de Justiça);

 

Advertência

As informações constantes da presente ficha não vinculam o Ponto de Contacto, nem os Tribunais ou outras entidades e autoridades. Também não dispensam a leitura dos textos legais em vigor. Estão sujeitas a actualização regular e à interpretação evolutiva da jurisprudência[/fusion_text][/fusion_builder_column][fusion_builder_column type=”1_6″ layout=”1_6″ last=”yes” spacing=”yes” center_content=”no” hide_on_mobile=”no” background_color=”” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” background_position=”left top” hover_type=”none” link=”” border_position=”all” border_size=”0px” border_color=”” border_style=”” padding=”” margin_top=”” margin_bottom=”” animation_type=”” animation_direction=”” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” class=”” id=”” min_height=””][fusion_text]Bélgica

Bulgária

República Checa

Dinamarca

Alemanha

Estónia

Irlanda

Grécia

Espanha

França

Croácia

Itália

Chipre

Letónia

Lituânia

Luxemburgo

Hungria

Malta

Países Baixos

Áustria

Polónia

Portugal

Roménia

Eslovénia

Eslováquia

Finlândia

Suécia

Reino Unido[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

Ao continuar com a navegação, assumimos que aceita a nossa política de cookies.

Mais informação

POLÍTICA DE COOKIES

Para que o nosso sítio possa funcionar correctamente, instalamos pontualmente no seu computador ou dispositivo móvel pequenos ficheiros denominados cookies.

O que são cookies?

Um cookie é um pequeno ficheiro de texto que um sítio Web instala no seu computador ou dispositivo móvel quando o visita. Estes ficheiros permitem que durante um certo período de tempo o sítio Web se «lembre» das suas acções e preferências, nomeadamente do nome de utilizador, da língua escolhida, do tamanho dos caracteres e de outras definições de visualização. É por isso que quando percorre as páginas de um sítio ou regressa a um sítio que já visitou não tem, em princípio, de voltar a indicar as suas preferências quando regressa a um sítio.

Como utilizamos os cookies?

Algumas páginas deste sítio Web utilizam cookies (testemunhos de conexão) para que as suas preferências de visualização, como a língua seleccionada e os dados necessários ao bom funcionamento dos formulários interactivos, não sejam esquecidas quando voltar a consultar o sítio. Trata-se sempre de cookies de origem e nenhum deles é guardado depois de terminada a sessão.

A activação dos cookies não é indispensável para que um sítio Web funcione, mas facilita a navegação. Os cookies podem ser apagados ou bloqueados, mas se o fizer poderá desactivar algumas funcionalidades do sítio.

As informações associadas aos cookies não são utilizadas para identificar pessoalmente os utilizadores e o Ponto de Contacto tem pleno controlo sobre os dados recolhidos. O Ponto de Contacto só usa cookies para os fins referidos.

Como controlar os cookies?

Algumas pessoas poderão considerar a ideia da criação de um local de armazenamento de informação no seu computador ou dispositivo móvel um pouco intrusiva, nomeadamente quando essa informação é reunida e utilizada por terceiros que desconhecem. Se preferir, poderá bloquear alguns ou todos os cookies, ou até suprimir cookies já instalados no seu terminal, mas deverá estar ciente de que se arrisca a perder certas funcionalidades.

Para controlar os cookies ou as preferências de cookies, terá de os alterar dentro das definições do seu navegador. Aqui está uma lista de guias sobre como fazer isso, nos navegadores mais usados:

Para mais informações, consulte AllAboutCookies.org.

Sugerimos, ainda, que consulte a nossa página Advertência Jurídica.

Fechar